Islamita conduz carrinha contra multidão, matando 15 pessoas

homekeyboard_arrow_rightCASO DE ESTUDO keyboard_arrow_rightEspaña PO

ESPANHA
CASO DE ESTUDO

Agosto de 2017

O Islamita militante Younes Abouyaaqoub conduziu uma carrinha a alta velocidade contra a multidão que caminhava em Las Ramblas em Barcelona, matando 15 pessoas e ferindo mais de 120. O marroquino de 22 anos ziguezagueou através uma zona pedonal com o óbvio objectivo de causar o máximo de mortes. O Daesh (ISIS) reivindicou a responsabilidade do ataque.

Abouyaaqoub conseguiu inicialmente fugir, mas a polícia localizou o seu paradeiro. Três dias depois do ataque ele foi morto a tiro perto da cidade de Subirats, a 50 km de Barcelona. Na altura, usava um cinto suicida falso e foi ouvido a gritar “Allahu Akbar” (expressão que significa ‘Deus é grande’).

Nessa semana houve outros incidentes violentos na área. No dia anterior ao ataque em Las Ramblas, uma casa em Alcanar, Tarragona, foi destruída por uma explosão. De acordo com a polícia, o aparelho explosivo caseiro destinava-se a atacar a icónica Basílica da Sagrada Família de Gaudi, em Barcelona. No dia a seguir ao ataque em Las Ramblas, um carro foi atirado contra um veículo policial à beira-mar em Cambrils, também Tarragona. Um dos atacantes esfaqueou uma mulher. A polícia matou cinco terroristas suspeitos. As autoridades espanholas ligaram estes acontecimentos a uma célula terrorista de 12 membros liderada pelo imã militante Abdelbaki Es Satty.

O relatório de Segurança Nacional de Espanha de 2016 afirmou que não é apenas em Barcelona mas noutras partes da Catalunha que “o processo de radicalização ocorreu mais rapidamente e a comunidade islâmica é caracterizada como a mais radical, com mais ligações a outros extremistas na Europa”.

Depois dos ataques, quase 1.000 muçulmanos caminharam em Las Ramblas com um cartaz a afirmar “Muçulmanos contra o terrorismo”. O principal rabino de Barcelona, Meir Bar-Hen, descreveu Espanha como uma “plataforma do terrorismo islamita para toda a Europa”. E sugeriu que os judeus deveriam emigrar para Israel, porque a “Europa está perdida”.

FONTES

Gencat.cat, 30 de Agosto de 2017; Guardian, 22 de Agosto de 2017; Independent, 20 de Agosto de 2017; Sky News, 18 de Agosto de 2017; Telegraph, 21 de Agosto de 2017; La Vanguardia, 21 de Agosto de 2017; Informe Anual de Seguridad Nacional 2016.

Sobre Nós

A Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) é uma instituição internacional, fundada em 1947, que apoia mais de 6.000 projectos pastorais em mais de 140 países por ano. Com base em três pilares - informação, oração e acção - a Fundação AIS ajuda os Cristãos onde quer que sejam perseguidos, ameaçados ou em necessidade.