Religião

3.990.000População

75.320 Km2Superfície

Leia o Relatório
keyboard_arrow_down

homekeyboard_arrow_rightPanamá

Disposições legais em relação à liberdade religiosa e aplicação efectiva

A proteção de Deus é invocada no preâmbulo da Constituição. [1] Segundo o artigo 35.º, “todas as religiões podem ser professadas e todas as formas de culto praticadas livremente, sem qualquer outra limitação a não ser o respeito pela moral cristã e a ordem pública. É reconhecido que a religião católica é praticada pela maioria dos cidadãos do Panamá.” A Constituição estipula no artigo 19.º que “não há privilégios públicos ou privados, ou discriminação devido a raça, origem, classe social, deficiência, sexo, religião ou ideologia política”.

Além dos deveres inerentes às suas missões, o artigo 45.º afirma que os ministros da religião “podem ser detentores de cargos públicos apenas quando essas funções se relacionam com assistência social, educação pública ou investigação científica.” O artigo 139.º afirma que é ilegal criar partidos políticos baseados na religião. Antes de tomar posse, o presidente e o vice-presidente da república fazem um juramento usando as palavras definidas no artigo 181.º: “Juro perante Deus e o meu país que cumprirei fielmente a Constituição e as leis da república.” Contudo, o artigo 181.º afirma que os cidadãos que não professam uma crença religiosa podem dispensar a invocação de Deus no juramento. Segundo o artigo 36.º, as organizações religiosas têm “capacidade jurídica e gerem e administram os seus bens sem limites prescritos por lei, à semelhança de outras entidades jurídicas”.

De acordo com o artigo 94.º, tanto as escolas públicas como as privadas “estão abertas a todos os estudantes sem distinção de raça, posição social, ideologia política, [ou] religião.” Segundo o artigo 107.º da Constituição, “a religião católica é ensinada nas escolas públicas”. Contudo, este artigo afirma ainda que, a pedido dos pais e encarregados de educação, “os estudantes não são obrigados a frequentar as aulas de religião, nem a participar em serviços religiosos”.

Incidentes

Em Setembro de 2016, foi realizado um encontro inter-religioso no segundo Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação convocado pelo Papa Francisco, a Conferência Episcopal do Panamá, o Comité Ecuménico do Panamá e uma organização chamada Diálogo Inter-religioso do Panamá. [2]

Em Fevereiro de 2017, a mãe de uma criança rastafariana apresentou um caso em tribunal alegando discriminação por parte da escola do seu filho. A escola disse-lhe que as normas obrigavam os alunos e usar uniforme e a usar o cabelo sem tranças. A mãe alegou que o estilo de penteado do seu filho fazia parte de uma prática religiosa. Depois de uma reunião entre a mãe do rapaz, representantes da comunidade rastafariana e a administração da escola, chegou-se a um acordo que permitirá que a criança continue a frequentar a escola sem problemas. [3]

Em Abril de 2017, durante a Semana Santa, o presidente da câmara da cidade do Panamá proibiu a venda de bebidas alcoólicas na Sexta-feira Santa e proibiu o uso de equipamento musical e danças. A medida destinava-se “a garantir o respeito pelos princípios religiosos dos cidadãos”. [4]

Em Maio de 2017, houve uma controvérsia no seguimento da criação de um novo partido político baseado no Cristianismo evangélico, alegando-se que ela violava a Constituição, que ilegaliza o estabelecimento de partidos políticos baseados na religião. O líder negou que o novo partido tivesse orientação religiosa e referiu que os estatutos provisórios e documentação relacionada com não continham quaisquer referências a crenças religiosas. [5]

Desde 2016, uma onda de violência atingiu a província de Colón, resultando em múltiplas mortes. Em Março de 2018, antes de o governo ter aceite um esforço de mediação pela Igreja Católica e o movimento social de Colombo com sede em Colón, a Conferência Episcopal do Panamá emitiu um apelo de paz e urgiu as partes a manterem um clima de respeito e tolerância, para que o diálogo pudesse ser iniciado. [6]

Em Fevereiro de 2018, o comité organizador da Jornada Mundial da Juventude e a Associação Nacional para a Conservação da Natureza assinaram um memorando de entendimento para garantir que o cuidado ambiental fará parte do planeamento e organização do evento, com o objectivo de minimizar o seu impacto no ambiente. O Panamá vai acolher a próxima Jornada Mundial da Juventude em Janeiro de 2019. [7]

Perspectivas para a liberdade religiosa

No período em análise, não houve infracções significativas da liberdade religiosa garantida pela Constituição. Em comparação com o período anterior, o estado da liberdade religiosa melhorou e as perspectivas futuras parecem ser boas.

Notas

[1] Panama’s Constitution of 1972 with Amendments through 2004, constituteproject.org, https://www.constituteproject.org/constitution/Panama_2004.pdf?lang=en (acedido a 12 de Maio de 2018).

[2] ‘Diálogo interreligioso se celebra mañana’, La Estrella de Panamá, 31 de Agosto de 2016, http://laestrella.com.pa/panama/nacional/dialogo-interreligioso-celebra-manana/23958853, (acedido a 23 de Abril de 2018).

[3] D. Cortez, ‘Le niegan matrícula porque es rastafari’, Crítica, 11 de Fevereiro de 2017, https://www.critica.com.pa/provincias/le-niegan-matricula-porque-es-rastafari-464309 (acedido a 10 de Março de 2018); ‘Comunidad rastafari denuncia violación de derechos humanos’, Telemetro, 16 de Fevereiro de 2017, http://www.telemetro.com/nacionales/Comunidad-violacion-articulos-Constitucion-
discriminacion_0_1000100447.html (acedido a 23 de Abril de 2018).

[4] Y. Núñez, ‘Alcaldía de Panamá aplicará ‘ley seca’ durante 24 horas’, La Estrella de Panamá, 13 de Abril de 2017, http://laestrella.com.pa/panama/nacional/alcaldia-panama-emite-decreto-motivo-semana-santa/23995941 (acedido a 11 de Março de 2018).

[5] C. Anel Cordero, ‘‘Pais’ no es partido de evangélicos, Álvarez’, La Estrella de Panamá, 8 de Maio de 2017, http://laestrella.com.pa/panama/politica/pais-partido-evangelicos-alvarez/24000331 (acedido a 23 de Abril de 2018).

[6] Comité Permanente de la Conferencia Episcopal Panameña, ‘El diálogo, la consulta y los consensos son necesarios para soluciones en Colón’, 16 de Março de 2018, http://iglesia.org.pa/2018 March comunicado-de-la-cep/, (acedido a 29 de Março de 2018); J. Quiroz, ‘Varela anuncia el envío de 200 policías más para custodiar Colón’, tvnNOTICIAS, 9 de Maio de 2017, https://www.tvn-2.com/nacionales/Envian-nuevas-unidades-custodiar-Colon_0_4753024709.html (acedido a 29 de Março
de 2018); R. Aponte, ‘Hechos delictivos e inseguridad no dan tregua en la provincia de Colón’, tvnNOTICIAS, 17 de Março de 2018, https://www.tvn-2.com/nacionales/Hechos-delictivos-inseguridad-provincia-Colon_0_4987001325.html (acedido a 29 de Março de 2018).

[7] ‘El comité organizador local de la JMJ y ANCON firman convenio’, Arquidiócesis de Panamá, 22 de Fevereiro de 2018, http://www.arquidiocesisdepanama.org/2018/02/22/comite-organizador-local-la-jmj-
ancon-firman-convenio/ (acedido a 29 de Março de 2018).

Sobre nós

Fundada em 1947 como uma organização católica de ajuda para refugiados de guerra e reconhecida desde 2011 como fundação pontifícia, a ACN dedica-se ao serviço dos cristãos no mundo inteiro - através da informação, oração e ação - especialmente onde estes são perseguidos ou sofrem por necessidades materiais. A ACN financia todos os anos uma média de 6000 projetos em aproximadamente 150 países graças à doações de particulares, dado que a fundação não recebe financiamento público.