SEQUESTRO DE SACERDOTE E FUNCIONÁRIOS DA CATEDRAL

homekeyboard_arrow_rightESTUDO DE CASOkeyboard_arrow_rightFILIPINAS BR

FILIPINAS
ESTUDO DE CASO

Maio de 2017

O Padre Teresito ‘Chito’ Soganob, vigário-geral de Marawi, e funcionários da Catedral de Santa Maria foram sequestrados por extremistas islâmicos.

A Catedral de Santa Maria foi seriamente danificada pelos extremistas, que também registraram em vídeo o momento em que profanavam o edifício. O sequestro do Padre Soganob ocorreu no início do cerco de Marawi, que continuou até outubro de 2017. Militantes maute, filiados ao EI, desempenharam um papel principal em um conflito que envolveu outros jihadistas.

Durante o seu quarto mês de cativeiro, o Padre Soganob testemunhou a decapitação
de outros prisioneiros cristãos. Os extremistas também forçaram o sacerdote e outros reféns a converterem-se ao Islamismo e a transportarem armas durante o cerco. Depois da libertação do Padre Soganob e de outros sequestrados na mesma época, o Bispo Edwin de la Peña, de Marawi, disse que a sua conversão não tinha sido uma “conversão válida” pois tinha sido feita sob coação.

No momento em que terminou a ocupação maute, o número de mortes incluía 974 militantes, 168 funcionários do governo e 87 civis. Milhares de famílias foram deslocadas, na mais longa batalha urbana nas Filipinas desde a Segunda Guerra Mundial.

O bispo Edwin de la Peña disse que o cerco maute de Marawi tinha dividido a comunidade muçulmana local. Alguns muçulmanos desafiaram os extremistas abrigando cristãos. Na sequência da violência, o bispo afirmou que a prioridade da Igreja era reconstruir a confiança na cidade. Os passos para reparar as relações entre diferentes comunidades religiosas incluem ajuda emergencial aos deslocados, envio de estudantes universitários para visitar os deslocados e dar apoio e um novo centro de reabilitação para ajudar cristãos e muçulmanos sequestrados por extremistas.

FONTES

Aid to the Church in Need (UK) News, 19 de abril de 2018; Philippine Daily Inquirer, 4 de julho de 2017; Asia News, 13 de janeiro de 2018.

Sobre nós

Fundada em 1947 como uma organização católica de ajuda para refugiados de guerra e reconhecida desde 2011 como fundação pontifícia, a ACN dedica-se ao serviço dos cristãos no mundo inteiro - através da informação, oração e ação - especialmente onde estes são perseguidos ou sofrem por necessidades materiais. A ACN financia todos os anos uma média de 6000 projetos em aproximadamente 150 países graças à doações de particulares, dado que a fundação não recebe financiamento público.