MUÇULMANOS XIITAS BOMBARDEADOS POR EXTREMISTAS SUNITAS

homekeyboard_arrow_rightESTUDO DE CASOkeyboard_arrow_rightAFEGANISTÃO BR

AFEGANISTÃO
ESTUDO DE CASO

Abril de 2018

Um homem-bomba do grupo Estado Islâmico (EI) atacou muçulmanos xiitas que estavam em um centro de registro eleitoral na capital, Cabul, matando pelo menos 57 pessoas e ferindo mais de 100. Entre os mortos havia 22 mulheres e oito crianças. Uma família de seis pessoas foi também morta nesse dia quando o seu veículo colidiu contra uma bomba no acostamento da estrada perto de outro centro eleitoral na cidade de Baghlan’s Pul-e-Khumri.

Uma declaração da ONU condenando o ataque em Cabul confirmou que vários incidentes violentos ocorreram nos centros de registro eleitoral e que a bomba explodiu no bairro xiita muito povoado de Dasht-e-Barchi, na zona oeste da cidade. O Presidente afegão Ashraf Ghani escreveu no Twitter: “Condeno os ataques terroristas hediondos em Cabul e Pul-e-Khumri.” Esta explosão foi a mais recente numa longa linha de ataques realizados por extremistas sunitas contra os xiitas afegãos. No final de dezembro de 2017, pelo menos 41 pessoas foram mortas e mais de 80 ficaram feridas em um ataque suicida à bomba num Centro Xiita de Cabul.

Os ataques à comunidade muçulmana xiita não se restringem ao Afeganistão ou até ao Oriente Médio. Em Quetta, no Paquistão, onde houve uma série de ataques de militantes sunitas contra xiitas, agressores não identificados mataram cinco membros da comunidade muçulmana xiita Hazara. O ataque ocorreu em outubro de 2017. Ataques contínuos fizeram com que a comunidade se retirasse para regiões altamente protegidas nos arredores da cidade.

FONTES

US News, 22 de abril de 2018; ABC 7NY News, 22 de abril de 2018; Al Jazeera, 22 de abril de 2018, 9 de outubro de 2017; BBC News (web), 28 de dezembro de 2017; New English Review, 11 de maio de 2018; UN Assistance Mission in Afghanistan, 22 de abril de 2018; Telegraph, 22 de abril de 2018; France 24, 22 de abril de 2018.

Sobre nós

Fundada em 1947 como uma organização católica de ajuda para refugiados de guerra e reconhecida desde 2011 como fundação pontifícia, a ACN dedica-se ao serviço dos cristãos no mundo inteiro - através da informação, oração e ação - especialmente onde estes são perseguidos ou sofrem por necessidades materiais. A ACN financia todos os anos uma média de 6000 projetos em aproximadamente 150 países graças à doações de particulares, dado que a fundação não recebe financiamento público.